Caso de Polícia: Cidade Operária perde maternidade, obra que já rendeu 4 milhões aos políticos

maio 01, 2020 0

Um verdadeiro caso de polícia, com certeza é o que precisa ser visto nas obras realizadas nas proximidades da Feira da Cidade Operária e do 6º Batalhão da Polícia Militar. A obra fora destinada para a construção da Maternidade da Cidade Operária e da Casa da Gestante. Mas, agora fora mudado,  está programado para ser construído mais uma praça no bairro. Nesta sexta-feira(01), Dia do Trabalhador, por incrível que pareça, homens estão trabalhando à todo vapor para a construção da praça pública. O que fica a pergunta intrigante, onde foram parar os cerca de quase 4 milhões para ser construído a maternidade da Cidade Operária? Onde estão estes recursos???


O terreno possui 14 mil m² de área, e terá 120 leitos, destes, 100 leitos de internação e 20 de UTIs – 10 neonatais e 10 infantis. A obra está orçada em 25 milhões de reais, dos quais, 24 milhões são recursos da União, e um milhão do Governo Municipal.  Agora, estes recursos do município já estão orçados em cerca de 4 milhões. A pergunta bonita, onde está esse dinheiro??? Um morador do bairro da Cidade Operária, viu há alguns dias, homens cercando a área e inclusive ficou animado, pois imaginava que no local seria construído a tal da Maternidade do bairro e da Casa da Gestante. Ao se informar com os trabalhadores, ele soube que a maternidade não seria mais construída, mas na área, seria construída uma praça pública. Será que houve de fato, desvios de recursos públicos? As informações são que foram destinados para esta construção da maternidade, cerca de quase 4 milhões de reais. E onde estão esses recursos públicos? O Ministério Público e a Polícia Federal vão se manifestar? Há aplicações de recursos federais também, nesta obra famigerada.

O signatário do blog realizou na manhã desta sexta-feira (01), até alguns registros da área externa do local, onde pode se ver homens trabalhando no interior da obra. Foi colocado uma extensa cerca metálica, protegendo o local. O que precisa ser esclarecido para a população é o destino dos recursos públicos, os quais foram encaminhados para a construção dessa Maternidade e da Casa da Gestante. Porque desde que fora noticiado a construção da mesma, e isto no ano de 2014, foram muitos recursos, passados inclusive de gestores para gestores e gestões diferentes. Mas de fato, a maternidade tão almejada, nunca teria saído da planta. No máximo, na obra foram construídos pilares, não passando disso! Desde 2014, esta obra está só na promessa. As autoridades precisam investigas esses supostos desvios, tanto das gestões anteriores, como na atual.


O Ministério Público precisa ser provocado para que possa se manifestar a respeito. Só não sei, a que nível de provocação, o Ministério Público e a Polícia Federal querem ser provocados a tomar uma atitude sobre o caso. Pois, está é a segunda matéria que o blog fala respeito. Sem falar das cobranças da União dos Moradores do bairro, da comunidade, das muitas denúncias feitas por reportagens.... De que forma estas autoridades querem mesmo ser provocadas?

Esta maternidade municipal e a Casa da Gestante seria construída no local. Fora promessa de campanha desde 2016, mas até agora, nada foi realizado. Sobre esta maternidade, as obras iniciaram em junho de 2014. O terreno possui 14 mil m² de área, e terá 120 leitos, destes, 100 leitos de internação e 20 de UTIs – 10 neonatais e 10 infantis. A obra está orçada em 25 milhões de reais, dos quais, 24 milhões são recursos da União, e um milhão do Governo Municipal. A pergunta bonita, onde está esse dinheiro??? 


Na época, em janeiro de 2016, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, visitou na manhã da última sexta-feira (08) as obras da primeira maternidade municipal de São Luís, que está sendo construída no bairro Cidade Operária. As obras iniciaram em junho de 2014. O ministro foi acompanhado pelo senador, Roberto Rocha (PSB), o deputado federal, Alberto Filho (PMDB), o secretário estadual de Saúde, Marcos Pacheco e o vereador Roberto Rocha Júnior (PSB), que fora o defensor do projeto na Câmara Municipal. Foi ele quem ajudou a autorizar a área, onde a maternidade seria construída. Com a palavra, o  Ministério Público e a Polícia Federal.

Link da matéria da maternidade, realizada anteriormente:


0 Comentarios "Caso de Polícia: Cidade Operária perde maternidade, obra que já rendeu 4 milhões aos políticos"